Prefeitura de Vinhedo

  • Cultura e Turismo

    + Notícias

    Igreja Matriz de Sant’Ana expõe acervo do Monsenhor Favorino a partir de maio

    Peças farão parte da exposição em celebração ao centenário do religioso






    Acervo Monsenhor_1

    O acervo do Monsenhor Favorino, pertencente à Prefeitura de Vinhedo, foi cedido por empréstimo à igreja católica para que os objetos façam parte da exposição que será feita na Igreja Matriz de Sant’Ana a partir de maio, em comemoração ao centenário do sacerdote.

    Fazem parte do acervo mais de 100 objetos, entre eles, objetos pessoais, móveis, quadros, placas de homenagem, fotos e peças religiosas. Todo o material estava no Portal do Cristo, no memorial criado para homenagear o religioso.

    Por solicitação da paróquia, os itens foram transferidos para a Matriz em função do evento, que lembrará a data em que o pároco completaria 100 anos se estive vivo. Antes da retirada do acervo do memorial, tudo foi catalogado pela Secretaria de Cultura e Turismo.

    A exposição terá início no dia 4 de maio e ficará nas laterais internas da igreja, nos horários normais de funcionamento para os fiéis.

    Monsenhor Favorino

    Natural de Campinas, Favorino Carlos Marrone assumiu suas primeiras responsabilidades sacerdotais em Capivari (1939) e Amparo (1941). Depois foi Diretor da Ordem Terceira de São Francisco e da Pia União das Filhas de Maria do Patronato São Francisco, em Campinas, de 1943 a 1947. Em 1º de fevereiro de 1948, com 31 anos, assumiu a Paróquia de Sant’Ana de Rocinha.

    Participou do processo de emancipação do município em 1949 e lançou a pedra fundamental na nova Igreja Matriz de Sant’Ana, inaugurada ainda inacabada dez anos depois. Durante esses muitos anos de atuação em Vinhedo, realizou inúmeros trabalhos, entre eles, a idealização da primeira Festa da Uva, em 1950; a Santa Casa de Vinhedo, inaugurada em 1962; o Lar da Caridade (Asilo dos Velhinhos), em 1970; a sede dos Vicentinos, em 1974; o Cruzeiro (1973) e o Cristo Redentor (1976).

    Por suas obras, em 1964 recebeu o título de “Cidadão Vinhedense” e, em 1979, o de “Emancipador do Município de Vinhedo”. O Monsenhor faleceu em 22 de agosto de 2009, com 92 anos de idade, em Vinhedo, onde viveu por 61 anos.