Prefeitura de Vinhedo

  • Expo Vinhedo Industrial:
    clique aqui e inscreva-se

  • Saúde

    + notícias

    Prefeitura e Santa Casa criam espaço de acolhimento a pacientes com diagnóstico de câncer

    A Prefeitura de Vinhedo, por meio da Secretaria de Saúde, e a Santa Casa inauguraram nesta segunda-feira, dia 9, um serviço de retaguarda oncológica. Trata-se de um espaço criado especialmente para o acolhimento de pacientes com diagnóstico de câncer, estruturado para trabalhar a autoestima dessas pessoas nessa fase complicada da vida. O prefeito Jaime Cruz participou do lançamento do programa.

    “Costumo dizer que na vida não temos problemas, mas desafios, e essa doença é um grande desafio. Todo mundo um dia passa por isso ou terá alguém dentro da família vivendo essa situação. Esse espaço vem para dar um carinho a essas pessoas, acolher e fortalecer nessa jornada em busca da sonhada cura”, destacou o prefeito Jaime Cruz.

    Também estiveram presentes os secretários municipais de Saúde, Flávio Moreira; de Administração, Adriano Corazzari, que responde também por Obras; o administrador da Santa Casa, Celso Beltramini; e Elizabete Duarte, do Instituto Grava; bem como os vereadores Nil Ramos e Geraldinho Cangussú.

    Para fotos em alta resolução, clique aqui

    A sala de retaguarda oncológica, que funciona dentro da Santa Casa de Vinhedo, foi instituída através de emenda impositiva da Câmara de Vereadores, no valor de R$ 200 mil. Serão atendidos no local não somente os pacientes, tanto aqueles que já estão em tratamento, assim como aqueles que ainda estão na espera, bem como seus familiares. Os encaminhamentos serão feitos pela Secretaria de Saúde.

    No espaço são oferecidas terapias como Heike, Acupuntura e Florais. Conforme explicou o secretário de Saúde, Flávio Moreira, atualmente são mais de 80 pessoas atendidas na Rede Municipal que possuem diagnóstico de câncer. Ainda de acordo com ele, o tratamento é de responsabilidade do Estado, por ser de alta complexidade, com encaminhamento feito pelo município.

    “Existe uma legislação que diz que, entre o diagnóstico e o início do tratamento, não deveriam passar mais que 60 dias, mas o Estado não tem cumprido esses prazos, que algumas vezes ultrapassa 5 meses. Nós insistimos junto à Regional de Saúde, em Campinas, para que os pacientes sejam atendidos o mais rápido possível, e agora, com esse espaço, poderemos minimizar a angústia dessas pessoas”, explicou o secretário de Saúde, Flávio Moreira.